O Conceito de Livre Arbítrio em João Calvino



“Para Calvino, o problema do Livre Arbítrio não está diretamente ligado ao fato do conhecimento da verdade em si, ou se o homem possui inerentemente a liberdade, ou não. A questão inicial é a iluminação divina e transcendente, pois para ele quando esta tem seu lugar, tudo o mais se torna uma conseqüência direta.

Diferentemente de Agostinho, Calvino não se utiliza do termo “livre escolha”, por entender que este pode causar uma compreensão, contudo, nem por isso Calvino está necessariamente contra os Pais da Igreja, ou mesmo Agostinho em todo e qualquer ponto desta questão.

Calvino esteve envolvido em um debate sobre o tema da vontade humana livre, ou cativa, com Albert Pighius (Kampen, Holanda, por volta de 1490 - Utrecht, 26 Dezembro de 1542, teólogo católico romano, matemático e astrônomo).

Dentre tantas controvérsias, com este a principal foi sobre a teoria de Pighius sobre o pecado original que dizia que as únicas conseqüências do pecado de Adão, foram a entrada da morte, e a imputação da culpa de Adão a toda a humanidade. Não existe menção da corrupção da natureza e as paixões que os seres humanos experimentam derivam da natureza criada e eram experimentadas por Adão, antes da queda.

Pighius, segundo Calvino, deixa transparecer em seus escritos, interpretações errôneas de muitos termos utilizados por Agostinho, bem como aplicações indevidas, ou
ad absurdum de afirmações feitas por Agostinho. A. N. S. Lane, comenta:

A questão central é, claro, a da vontade humana livre/cativa e da escolha humana. Quase todos os outros tópicos são introduzidos por sustentarem esta questão. Considerável espaço é dedicado para discutir os pontos de vista dos antigos pais, de modo geral. e Agostinho, em particular. Infelizmente, a questão foi obscurecida pelo fato de que Calvino, diferentemente de Agostinho, escolheu rejeitar o termo “livre escolha”. Pighius imediatamente se apega a isso, assumindo que, porque os Agostinho e os Pais afirmaram a livre escolha, enquanto que Calvino a rejeita, Calvino esta em oposição aos Pais. Calvino responde dizendo que enquanto ele aceita a livre escolha como Agostinho a define, ele entende que é melhor abandonar o termo por causa de compreensão. Mas deseja afirmar que a vontade é livre no sentido de que temos vontades que não são coercidas, mas auto-determinadas, escolhendo voluntariamente, de acordo com elas próprias.

O próprio Calvino escreve:
Todos os escritores eclesiásticos exceto Agostinho falaram ambiguamente ou diversamente sobre este assunto que nada certo pode ser depreendido de seus escritos. Mas primeiro ele define a força e o significado da expressão. Ele quer que “escolha” seja entendida por “o escolher”, ou mais precisamente, “vontade”, e, de acordo com sua definição, que chama de “livre” a qual seja autônoma, ou sua própria mestra, sem dúvida, no sentido de fazer qualquer coisa que faça, de modo que faz não por necessidade, mas porque é hábil em não fazê-la. Agora, tanto quanto se preocupe com este termo, eu continuo mantendo o que declarei em minhas Institutas, que eu não sou excessivamente preocupado com palavras a ponto de começar uma discussão por esta causa, tendo em vista que uma clara compreensão da realidade seja requerida.

Calvino, apesar de meticuloso e sempre precavido com o que diz, demonstra um caráter bem mais prático do que ficar se detendo em outras controvérsias paralelas. Isso, certamente, se deve ao fato de que ele não era um apaixonado por disputas, ou autopromoção, antes desejava ardentemente que o verdadeiro ensino bíblico fosse explicitado e pudesse ser obedecido por todos quantos o desejassem fazer para Glória de Deus. Por outro lado, isso não o impediu de buscar erudição e conhecimento nos escritos de seu tempo, e do seu passado para aplicá-los às questões presentes.

As Escrituras são um elemento presente tanto em Agostinho como em Calvino, no entanto, como esta atua na vida do homem, existem algumas diferenças. Para Agostinho é um “caminho a ser seguido” e a ser compreendido intelectualmente, com o auxílio da Graça divina. Entretanto, para Calvino, como o homem não pode ter nada de bom em si, e muito menos para se aproximar de Deus, há uma grande ênfase no fato de que o homem não coopera com Deus, e nem conquista méritos, antes é o Espírito Santo que atua no ser do homem, fazendo com que este esteja livre para fazer o que Deus demanda:

Toda a faculdade do livre arbítrio que os papistas sonham é, profundamente solapada por estes dois pontos. Porque começamos a nos aproximar de Cristo somente quando atraídos pelo Pai, nem o começo da fé, nem a preparação para ela, reside em nós. Por outro lado, se todos vem dos que o Pai ensinou, Ele dá a eles não somente a liberdade para crer, mas a fé propriamente dita. Quando, portanto, estamos desejosos de obedecer ao guiar do Espírito, é uma parte, e como tal, o selo da Graça. Por que Deus não nos atrairia se ele somente estendesse sua mão e deixasse nossa vontade em suspense. Mas ele propriamente disse que nos atrai quando estende o poder do seu Espírito para o pleno completar da fé. Eles dizem ouvir a Deus e que voluntariamente se submetem a Deus quando ele fala no seu interior, porque o Espírito reina em seus corações.

A liberdade, como Calvino a vê, não é uma liberdade irrestrita, e na verdade, como dito anteriormente, nem Agostinho a entende desta forma, contudo, em Calvino a necessidade total de uma capacitação divina recebe muito mais ênfase do que em Agostinho. O homem, mesmo quando atende responsavelmente ao chamado divino, é porque tem uma novidade de natureza, que o possibilita a entender as coisas de uma nova forma, e a ter um vigor para desejar fazer as coisas preparadas por Deus. Na concepção de Calvino Deus não “aproveita” algo de bom no homem, é ele quem infunde todos os elementos para que o homem seja como ele quer.

Como em Agostinho, o elemento transcendente está presente e é decisivo. No entanto, a compreensão da natureza deste, e de sua respectiva atuação são diferentes entre os dois. Para Agostinho é como se compreende a verdade; para Calvino é a certa e infalível possibilidade para se compreender e agir segundo esta verdade.

Calvino destaca que Agostinho não associou devidamente a questão da queda ao efeito do pecado no gênero humano. Ainda que Agostinho trate deste tema, o Pecado Original, ele não faz as devidas concatenações conceituais e não vai até às ultimas conseqüências do conceito de pecado, tal qual é exposto na Escritura.

Ora esta incongruência, ou incompatibilidade, é uma decorrência da percepção fenomenológica da realidade. Por um lado vemos o homem agindo e fazendo muito do que planeja, por outro lado, somos confrontados diariamente com nossa própria incapacidade e limitação em todas as áreas da vida, sejam elas físicas, mentais, de ordem espiritual, ou religiosa.

Segundo Girardeau, na verdade, para Calvino, esta é uma questão que pode ser tratada, mas que não pode ser plenamente resolvida tendo em vista a limitação do homem em conseguir compreender plenamente o que é reservado a Deus:

Não há esperança para a tentativa de se conciliar a soberania de Deus e a livre agência do homem, e portanto sem resultados. Deus é soberano o homem um livre agente. Ambas as proposições são verdadeiras. Cada uma está separada e estabelecida pela sua própria evidência independente. Portanto, cada uma precisa ser mantida. Nossa inabilidade de demonstrar a consistência delas não é base para rejeitarmos nenhuma.

É interessante notar que apesar de uma aparente ceticismo, ou mesmo de uma visão limitada sobre a questão, Calvino ainda trata delongadamente sobre este assunto, em seus escritos. Ou seja, para ele, ainda que seja impossível humanamente se compreender, é plenamente possível e necessário o trato do tema, pois entendia que era de grande importância para a vida devocional daqueles que decidem seguir a Cristo, bem como para uma devida conscientização daqueles que ainda não o fizeram.

Em Calvino, o pecado subsiste no homem, e portanto, não existe mais a liberdade plena da vontade haja vista que ela está corrompida por este. Na concepção calvinista, apenas Adão teve o Livre Arbítrio, e ainda assim, de uma maneira não totalmente compreensível. Tendeu e finalmente escolheu cair em erro, e no sentido teológico, pecou. Portanto, não tendo a plena compreensão de quão decaído o homem está, não se percebe o quão incapaz ele é. Na Declaração de Religião ao Imperador Carlos V, Calvino nos apresenta alguns postulados que merecem atenção:

Este pecado, (
i.e. a privação daquela retidão pela qual torna a razão cativa de Deus), juntamente com a concupiscência, que ele propagou para a toda sua posteridade, para que nenhum homem qualquer que seja que venha a este mundo (Jó 25), seja nascido com ele, do qual ninguém está livre, nem mesmo a criança de um dia, segundo as Escrituras.

Calvino retira este exemplo de “uma criança de um dia” do livro de Jó, capítulo 25. Não se deve atribuir nada de especial a este fato de “um dia”, antes significa que, no ver de Calvino, basta vir ao mundo para que se possa evidenciar o fato de que o homem é inerentemente corrompido, ainda que em forma de criança não pareça em um análise mais superficial. Ainda mais do que Agostinho, Calvino é bem agudo em sua apresentação do Pecado Original, e ainda mais das suas conseqüências.

É por isso que Calvino entende que ninguém possui o Livre Arbítrio, no sentido pleno e irrestrito, nem mesmo sendo conhecedor da Lei de Deus. Não se confunda aqui a "capacitação dada pelo Espírito" para que o homem haja com responsabilidade, com alguma espécie de sinergismo entre Deus e o homem. Calvino chega mesmo a utilizar o termo “meia liberdade”:

(...) Porque livre e cativa são termos mutuamente contraditórios, assim aquele que afirma um nega o outro. Desta forma, se a vontade humana é cativa, não pode ser dito, ao mesmo tempo, que seja livre, exceto de modo impróprio. (...) Se os santos estão cativos na extensão de que eles ainda se encontra em sua própria natureza, o que dizer daqueles no quais suas naturezas ainda florescem e reinam? Se depois da regeneração o homem tem meia liberdade, o que ele tem no tempo da sua geração carnal original, senão total cativeiro?

Calvino mais comedidamente e acuradamente procura estabelecer uma limitação da liberdade que todo o homem tem, e ainda para os já transformados, ressaltar sua real condição, bem como sua liberdade responsável, para que ninguém se julgue merecedor de alguma coisa diante de Deus, ou até mesmo diante de si próprio.

Assim como Agostinho, Calvino também associa a capacidade do homem responder a Deus à Graça Divina, contudo o faz de um modo mais amplo e aprofundado, não apenas colocando como condição
sine qua non, mas ainda demonstrando como é que esta Graça chega a atingir o homem.

Ainda que a ferida de nossa natureza, que o animal homem não perceba as coisas que são espirituais (1Co 2), nem antes da graça deseja e livremente escolhe a mesma, vendo que a concupiscência e afeição da carne que reina nele são inimigas contra Deus, e repugnantes para com a lei de Deus (Rm 8) e impedidora de ele chegar ao bem, tanto quanto impulsionadora para que este vá ao mal.

Calvino entende que a Graça divina não é dada por méritos que os homens tenham, aliás é dela que precede toda a boa obra:

De fato, a graça de Deus não é dada como recompensa por nossos méritos, mas nos é garantida em tempos em que não temos méritos, exceto os maus. É dali que os bons méritos começam, mas como tais são presentes puramente de Deus, e de modo algum de nós.

Não há meio termo para Calvino. Agora, no âmbito espiritual, depois de Adão caído não existe uma “zona neutra” em que o homem esteja inserido e livre para fazer o que deseja, aliás ao seu ver, o homem nem mesmo deseja o bom desejo.

O homem pende de tal modo ao mal, que somente uma força maior do que este, também maior do que o próprio mal pode, na linguagem bíblico-calvinista, “resgatar” o homem de sua situação irremediavelmente precária.

Na sua obra
As Institutas da Religião Cristã, diz o seguinte:
A não ser que me engane, está suficientemente prova do que o homem está tão preso pelo jugo do pecado que não busca o bem pela própria natureza, por ser inspirado pela devoção ou por ser impelido pelo zelo. A distinção anterior entre coação e necessidade foi sustentada para que fique claro que, embora o homem peque necessariamente, não seja entretanto nada menos voluntário o pecar. Porém, uma vez que, enquanto segue na servidão do Diabo, vê-se que antes atue o arbítrio daquele que o seu, resta que se examine: o que sejam ambos os gêneros de ação, e, resolvendo a questão, se algo deve ser atribuído a Deus nas obras más, nas quais a Escritura insinua que não seja nula a intercessão de sua ação. (...)

É nas entrelinhas que Calvino e Agostinho se encontram, e concordam em muitos pontos, contudo, Calvino indo mais além, faz afirmações dogmáticas acerca do assunto. Muito provavelmente, por não estar tão preso a um sistema filosófico, ou não ter de fazer uma apologia da lógica de seu raciocínio diante de nenhum sistema filosófico, ele consegue caminhar mais desembaraçadamente rumo ao seu objetivo, o das conseqüências últimas de suas afirmações.

Calvino demonstra também nesta citação, que a vontade está corrompida e tendenciosa não por uma força desconhecida ou a simples ausência de uma espécie de “boa vontade”. Clara e diretamente ele pressupõe a ação do Diabo, como a Escritura o concebe, ou seja, acredita em sua existência e efeitos da mesma na vida dos homens. Este é outro campo que não é muito explorado por Agostinho.

Talvez, por estar muito mais interessado em demonstrar o aspecto positivo de uma mudança de vida, Agostinho, praticamente não lida com a questão do mal, relacionando o Diabo, Satanás como seu agente mais efetivo.

Antes mesmo de haver esta ligação mais estreita entre mal, Diabo, e pecado, Calvino, certamente no intuito de ressaltar a responsabilidade do homem, tendo em vista que, a seu ver, este sempre dela se esquece, fala do pecado e de sua ação no homem:

Vencida pela servidão do pecado, a vontade é assim detida e não pode mover-se para o bem, nem nele se aplicar; com efeito, tal movimento é o princípio da conversão para Deus, o qual a Escritura atribui totalmente à Graça de Deus.

Ora Calvino utiliza-se da pessoa de Satanás, ora do próprio pecado como elemento escravizante da vontade do homem. Parece haver uma certa intercambialidade acerca destes dois elementos. Seja como for, a vontade do homem, no ver de Calvino, é escrava, e portanto, não pode ser livre para decidir, muito menos para fazer o bem.

Se algum bem existe, esse parte de Deus. Isso também é dito por Agostinho, contudo, de modo conciliado com a capacidade quase que inata que o homem tem de fazer o bem. Assim como em Agostinho, para Calvino, Deus é a fonte de todo o bem, contudo, para este último, Deus é quem toma toda a iniciativa para com o homem, indo além de uma mera capacitação, colocação em um estado de potencialidade para fazer o bem.

Calvino, interpretando Agostinho diz o seguinte:
Aquelas obras que Agostinho declara como sendo boas e dignas de louvor são precisamente aquelas que o Espírito de Deus prepara para serem feitas, e isso acontece pela preventividade da graça sem nenhum mérito da vontade.

De fato, Calvino não tem problemas em reconhecer que existem boas obras, que é o homem que efetivamente as pratica, mas não atribui absolutamente nada de mérito ao homem. A liberdade em fazer algo de bom, segundo a compreensão de Calvino, está diretamente ligada à capacitação divina para que o homem possa realizar as obras que Deus tem separado para que este as realize.

Wallace também deixa claro isso quando interpreta o pensamento de Calvino no trato do tema da Predestinação, que invariavelmente também envolve a questão da liberdade do homem:

(...) Quando um homem é salvo pela em Cristo, o espírito quebra a escravidão da vontade, e de maneira que, a partir daquele momento, ele passa a ter liberdade para escolher. Entretanto, o Espírito não confere ao homem a faculdade da escolha, mas sim o poder de escolher de modo correto.

Por um momento, Calvino cogita a mera possibilidade filosófica e retórica de o homem ter o Livre Arbítrio, mas imediatamente arrazoa o seguinte:

Ainda que o homem retivesse a liberdade de vontade, ainda que fraca e avariada, e desta como de uma fonte fluíssem tanto virtudes morais dos néscios, bem como os atos destes (virtudes), ainda, antes da graça de Deus e da renovação ele não poderia aspirar por uma retidão que seja válida diante de Deus, mas em vez disto é escravo do pecado (...)

Não há lugar para se pensar em qualquer ação boa, ainda que no nível da intenção por parte do homem. Não há porque supor ou inferir que do homem proceda qualquer desejo de um aproximar-se de Deus, até mesmo porque, não há a consciência de que esteja longe deste, ou mesmo em situação de litígio. Ambos, Agostinho e Calvino caminham juntos em muitos aspectos, Calvino respeita e utiliza as conclusões de Agostinho, mas quando necessário, vai além, ou mesmo mostra, segundo seu ver, as fraquezas, ou impropriedades das mesmas.

Segundo Calvino, diante do natural orgulho do homem, novamente, nos vemos diante de duas realidades aparentemente incompatíveis em outros sistemas teológicos, ou mesmo filosóficos. Se o homem não entender que tudo quanto é verdade procede de Deus, do transcendente, haverá um natural desejo de se “harmonizar” a liberdade do homem com o poder pleno de Deus. É o que vemos nos sistema calvinista, denominado, Soberania Divina. O homem não podendo aceitar que tudo não repousa em suas mãos, forjou um "meio-termo", no qual Deus e o homem "colaboram juntamente", doutrina denominada de Sinergismo.

Por outro lado, é interessante e importante perceber que Calvino não elimina a vontade do homem, mas a como incapaz de escolher o bem naturalmente:

(...) Nós, não negamos que alguma vontade, ainda que má,
permaneça no homem. Porque a queda de Adão não retirou a vontade, mas a fez escrava naquilo que era livre. Não apenas tendenciosa ao pecado, mas sujeita ao mesmo.

É nesta perspectiva que Calvino apresenta um homem não sem vontade, antes a afirma neste; contudo, acrescenta que esta se encontra escravizada pelo pecado, pelo seu erro inicial. Em conseqüência disto, Calvino não crê que esta vontade possa ser sequer ajudada, que ela é franca em si mesma, e não possui nem mesmo a capacidade de se valer efetivamente de qualquer ajuda. Para que esta vontade do homem, segundo Calvino, tenha ações diferentes, é necessário que seja transformada em sua essência:

(...) Mas eu pergunto: seria a mesma coisa instigar uma vontade, e ajudá-la quando esta é fraca em si mesma, como formar um novo coração no homem a fim de torná-lo desejoso?
Uma coisa é para a vontade ser movida por Deus para obedecer se assim o quiser e outra coisa é ser formada para ser boa.

O conceito de liberdade em Calvino fica mais claramente entendido quando o vemos falando do modo de a vontade se efetivar na realidade histórica, e não somente do seu raio de ação, ou conseqüências:

(...) Agostinho dia que a livre escolha não foi perdida pela raça humana. Por que ele diz isso? ‘Por que é por meio da livre escolha que aqueles pecam com alegria do pecar. Desta forma eles não estão livres da justiça, exceto pela escolha da vontade, nem ele se tornarão livres do pecado senão pela graça do Salvador.’ Portanto, é livre não porque possa mover-se em qualquer direção por seu próprio poder, mas porque se encaminha para o mal através de um movimento voluntário. Mas eu sempre levanto testemunhas de que eu não desejo brigar por palavras se está estabelecido de uma vez por todas que liberdade não deve ser aplicada ao poder, ou habilidade de escolher entre o bem e o mal, antes deve ser aplicada ao movimento e a uma concordância que é auto-determinada. E qual outro significado as palavras de Agostinho podem ter? O homem, ele diz, possui uma vontade que é livre, mas para fazer o mal. Por que? Porque ele é movido pelo prazer e pelos seus próprios apetites. Ele acrescenta depois: ‘Mas esta vontade que é livre nos ímpios, por gostarem do mal, não é livre para fazer o bem, pois não foi libertada.’

Calvino se mostra irredutível diante do fato de que se certo crédito ao homem quando este, externamente, se mostra propenso ao bem, ou em praticar coisas que são consideradas agradáveis a Deus:

Deve ser acordado, de fato, que o homem ainda possui uma vontade, ainda que ela seja cativa da tirania do pecado e de Satanás; (...) Então, quando eles ensinam o modo para se obter a Justificação, eles ensinam que Deus não age com o homem como com uma pedra, que ele não o move sem o seu querer. Quem negaria isso? Mas a questão é, de onde procede toda a ensinabilidade da vontade humana a qual passa a se mostrar, por si só, obediente a Deus, enquanto que a natureza é tanto contumaz e intratável? (...)

Calvino vai diretamente ao ponto em que Agostinho não trata de forma direta, pois este lida com as decorrências, enquanto que Calvino lida com a causa primeira de qualquer atitude positiva do homem: a ação divina.

É bem verdade que Agostinho também afirma que Deus é fonte de todas as coisas, mas não destaca o fato de que o homem está em uma condição inerte de total impossibilidade de fazer o bem de modo inato. Não existe a ênfase, ou mesmo o trato maior sobre a transformação na natureza humana para que o homem possa ter a sensibilidade para querer a vontade de Deus. Este processo para Agostinho parece ser muito compulsório, e talvez, por isso mesmo não muito mencionado.

Agostinho trata no livro
O Espírito e a Letra sobre dois elementos em justaposição que são o “querer” e o “poder”. Ele diz o seguinte:

Alguém pode perguntar se está em nosso poder a fé, que parece ser o começo da salvação ou das outras graças que enumerei encadeadas. Vê-lo-emos com mais facilidade, se antes examinarmos com algum cuidado o que significa este poder. O querer e o poder são dois conceitos diferentes, de sorte que nem o que quer pode nem o que pode quer. Assim como algumas vezes queremos o que não podemos, da mesma forma algumas vezes podemos o que não queremos. Considerando a evolução dos termos, “vontade” (
voluntas) deriva de “querer” (velle), enquanto o “poder” está ligado a “poder” (posse). Assim o que quer tem vontade, e o que pode tem poder. Mas, para que o poder realize alguma coisa, necessita do concurso da vontade. Pois não se costuma afirmar que alguém fez algo pelo seu poder, se o fez involuntariamente.
(...)
O que mais acrescentaremos? Não dizemos alguma vezes que existe este poder, quando à vontade se junta a faculdade de praticar? Daí o dizer-se que alguém tem poder, quando o faz o que quer e não faz o que não quer.
A justiça e a são nossas, mas se diz serem de Deus e de Cristo porque nos são concedidas por eles em sua liberalidade.

Agostinho introduz um novo elemento para falar sobre a vontade, ou o querer que é o poder. Desta forma, é possível perceber como há uma confluência de elementos que juntos vão formar o todo do conceito da ação da vontade. A fenomenologia da realidade, certamente, também do auto-exame em Agostinho faz com que ele faça distinção entre estes dois elementos. Entretanto, ele não aplica estas verdades a questão da responsabilidade como faz Calvino.

Calvino, comenta esta citação de Agostinho utilizada impropriamente por Albert Pighius que defendia que o homem pode ter fé em Deus por si mesmo. Ao contra-argumentar Pighius, Calvino destaca a questão da fé, que no cristianismo é um grande “motor” do querer e do realizar:

Agostinho coloca a dentro de nosso livre controle, tendo em vista que ela depende de nossa vontade, porque por uma livre escolha nós podemos tanto nos inclinar para a fé, ou para a descrença. Se todo o argumento terminasse nisso, Pighius poderia, eu admito, ter motivo para alguma animação. Mas, desde que Agostinho, ao mesmo tempo testifica que este poder é conferido a nós por um excepcional dom de Deus e não vem de nossa livre escolha; e que a vontade para crer também não é concebida por alguma bondade inata, mas é feita e formada pelo Espírito Santo, certamente, é agora fácil inferir o que ele quis dizer em suas primeiras palavras. Na verdade, o poder e o querer são nossos somente quando cada um deles nos é dado, como ele ensina no nono capítulo de seu trabalho, quando fala sobre justiça e fé. ‘A justiça e a são nossas, mas se diz serem de Deus e de Cristo porque nos são concedidas por eles em sua liberalidade’. Desta forma, fazendo a distinção entre ser capaz e querer, Agostinho diz que na Escritura não ocorrência da fórmula ‘Não há vontade, exceto procedente de Deus’ comparada com o que é dito sobre o poder, aqui em cada ponto apóia nossa posição. Logo mais à frente ele acrescenta a explicação: é para, obviamente, prevenir a quem quer que seja o atribuir vontades perversas a Deus. Mas tendo em vista que uma boa vontade é propriamente e devidamente atribuída a Deus, pois é produzida por ele, ele a permite.

Aqui parece ser o ponto em que mais próximo Agostinho e Calvino chegam a respeito da questão da responsabilidade do homem diante da decisão das coisas. Deus não pode ser o responsável primeiro e último sobre o mal, e muito menos sobre os erros do homem, entretanto, uma coisa não elimina a outra. Paralelamente a isso, o homem está livre em determinado grau, para agir de forma que a responsabilidade de suas atitudes recaia sobre si próprio. Calvino não vê problema em harmonizar esta liberdade que o homem tem com a questão do dom dado por Deus para se fazer o bem.

Calvino também cita Agostinho para defender um ponto que julgava importante, principalmente ainda relacionado à questão da responsabilidade, que é a “escravidão”. É interessante e pertinente este contraste feito por ambos, pois tanto se cuida em conceituar e definir a liberdade, que pode se esquecer do estado em que o homem se encontra, se não estiver livre.

De modo geral, ambos concordam que o homem não está plenamente livre para nada em sua existência, sendo assim, em alguma medida, o homem sempre será escravo de algo, ou alguém. O homem não é um ser autônomo, nem em sua existência, nem em sua manutenção, como Deus o é. Assim nos diz Berkhof:

Deus é auto existente, isto é, ele tem em Si mesmo a base de Sua existência. Às vezes esta idéia é expressa dizendo-se que ele é a causa
sui (a Sua própria causa), mas não se pode considerar exata esta expressão, desde que Deus é o não causado, que existe pela necessidade do Seu próprio Ser e, portanto, necessariamente. O homem, por outro lado, não existe necessariamente, e tem a causa da sua existência fora dele próprio. (...) Pode-se dizer que um tênue vestígio desta perfeição na criatura, mas isto pode significar que a criatura, conquanto absolutamente dependente, tem sua existência própria e distinta. Mas, naturalmente, longe está de ser auto-existente.

Essa realidade também já pode ser vista, pela própria necessidade que Agostinho e Calvino defendem que o homem tem de ser primeiramente alcançado pela Graça divina, para poder sequer desejar o fazer as boas obras. Agostinho escreve em
Correção e Graça:

Conseqüentemente, devemos confessar que temos liberdade para fazer o mal e o bem; mas para fazer o mal, é mister libertar-se da justiça e servir ao pecado, ao passo que na pratica do bem, ninguém é livre, ser não é libertado por aquele que disse:
Se, pois o Filho vos libertar, sereis, realmente, livres (Jo 8,36). Mas ninguém pense que, uma vez libertado da sujeição do pecado, não lhe é mais necessário auxílio do libertador. Pelo contrário, ouvindo ele: Sem mim nada podeis fazer (Jo 15,5), responda-lhe: Tu és minha ajuda; não me deixes (Sl 26,9).

Esta “escravidão” é uma condição diretamente oposta a da liberdade, e na verdade, mais do que isso, parece ser “o outro lado de uma mesma moeda”, pois livre de um, escravo de outro. De qualquer forma, não é sem razão que o próprio título de obra de Calvino em resposta a Pighius seja “O Cativeiro e a Libertação da Vontade”.

Calvino, comentando esta citação de Agostinho escreve:
Mas o ponto em questão é se a liberdade para escolher entre o bem, ou o mal não reside naturalmente no homem. (...) Desta forma as pessoas são libertas do mal somente pela Graça de Deus. Sem esta elas não fazem bem de modo algum, seja pelo pensar, desejar e amar, ou pelo agir. Isso significa não somente que, quando a Graça mostra a eles que sabem o que deveriam fazer, também os capacita a fazer prazerosamente o que sabem ser correto.
Mas talvez Deus ofereça luz às mentes humanas, e isso seja o poder para escolher aceitar, ou recusar, e ele move as vontades de tal modo que está em seu poder seguir seu movimento, ou não.

Como se vê, Calvino também entende que o homem somente capacitado por algo maior que si próprio é que pode ansiar coisas maiores a si, como, por exemplo, as boas obras, desejar fazer o bem, e no resumo de todas as coisas, querer fazer o que Deus demanda.

Wallace apresenta uma amostragem do pensamento de Calvino quanto à liberdade humana, bem como quanto à responsabilidade do homem. Este cria tanto em uma como em outra:

(...) Calvino começa a explicar a natureza e o efeito da nossa liberdade e da nossa responsabilidade diante de Deus que deparamos com um ponto de dificuldade em seu ensino. Ele estava preocupado em não deixar mais espaço do que a própria Escritura dá para este tipo de liberdade humana. (...) condenava a idéia de que o universo poderia estar sujeito a um ‘governo confuso e promíscuo’, no qual Deus era considerado como determinando e iniciando o movimento geral que dirigia o sistema como um todo, mas não governava a ação de cada criatura individual, sendo que o homem teria a habilidade de ‘dirigir-se para aqui e para acolá pela livre escolha de sua vontade’.

Calvino ao invés de forjar algum tipo de harmonização entre a soberania de Deus, a dependência do homem e sua liberdade, procura ver os pontos afirmados pela Escritura e não negá-los, nem corrompê-los. Com isso, encontra a resposta para a questão no termo “responsabilidade”. Por outro lado, não tinha receio de simplesmente parar quando entendia que não havia mais terreno sólido para fazer afirmações ou chegar-se a conclusões procedentes.

Caminha um pouco mais especificamente quando aplica a questão da responsabilidade aos eleitos, termo retirado do próprio texto bíblico. Faz também menção da Providência divina, outra expressão da Soberania divina:

Ao confrontar o eleito com suas necessidades de tomar decisões, Deus parece investi-lo com sua própria liberdade e deixar sobre ele o ônus de usar todos os meios possíveis para que possa atingir seus alvos. A providência de Deus não isenta ninguém de ser prudente.

Assim como Agostinho também toca na questão de ser necessária a sabedoria para se tomar decisões, e viver, de modo geral.

Ao tomarmos nossas decisões, precisamos, antes de qualquer coisa, procurar a sabedoria que vem do alto. Ele adverte a Igreja de Angers a não usar nenhum tipo de ‘sabedoria deste mundo’, o que pode envolver a desonestidade, mas, sob a direção de Cristo, agir com a ‘prudência do Espírito Santo’ que é ‘associada à simplicidade’.

Para Calvino, ainda que seja muito importante a sabedoria, mesmo a divina, não tem um papel tão importante como para Agostinho. Ele não faz dela a grande busca de sua vida. Calvino não coloca o foco principal de sua atenção nela, na verdade a pressupõe como um acessório, importante é verdade, mas apenas como mais um instrumento de Deus a disposição do homem, a ser utilizado com responsabilidade."

---
Fonte:
DANIEL PIVA: “CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS CONCEITUAIS SOBRE O LIVRE ARBÍTRIO EM SANTO AGOSTINHO E CALVINO”. (Dissertação apresentada à Banca Examinadora como exigência para a obtenção do Título de Mestre em Ciências da Religião no Curso de Pós-Graduação Stricto Senso em Ciências da Religião da Universidade Presbiteriana Mackenzie, sob a orientação do Dr. Hermisten Maia Pereira da Costa). São Paulo, 2009.

Nota
:
A imagem inserida no texto não se inclui na referida tese.
As notas e referências bibliográficas de que faz menção o autor estão devidamente catalogadas na citada obra.
O texto postado é apenas um dos muitos tópicos abordados no referido trabalho.
Para uma compreensão mais ampla do tema, recomendamos a leitura da tese em sua totalidade.
Disponível digitalmente no site: Domínio Público

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Excetuando ofensas pessoais ou apologias ao racismo, use esse espaço à vontade. Aqui não há censura!!!