A ILHA DE BOM JESUS E O "ASILO DOS INVÁLIDOS DA PÁTRIA"

Em 1924, no terreno doado por Dona Ignez de Andrade, piedosa viúva de um capitão de milícias, os veneráveis franciscanos, da província de Santo Antônio, ergueram, na Ilha de Bom Jesus, os sólidos muros do convento que, cedido ao governo nesse  mesmo ano, serviu de hospital de marinha até 1830, quando o foram habitar  os leprosos, mais tarde transferidos para São Cristóvão. Em 1850, continuando as suas tradições hospitalares, transformou-se o convento em asilo para os enfermos de febre amarela. Ascendeu, em 1852, a categoria de estabelecimento de ensino dirigido pelas pias irmãs do Sagrado Coração de Maria, que o entregaram, em 1853, ao encarregado geral da colonização. Quando o colera-morbus, em 1855, devastou a Corte, o deserto edifício tornou à sua função hospitalar, e, extinta a epidemia, fizeram-no depósito de colonos. Foi Quartel de Voluntários em 1865. No ano seguinte, em que começa a história do Asilo de Inválidos,  o ministério da guerra fechou  a enfermaria que estabelecera no convento, ao qual mandou recolher, com os inválidos então alojados na fortaleza de São João, os que chegavam do Paraguai. Removidos para a Ponta da Armação, em Niterói, esses primeiros asilados aguardaram em habitações provisórias, as definitivas, que o Imperador mandara construir  na Ilha. Iniciadas em 1867, as novas obras do Asilo foram inauguradas em 1868, no dia 6 de julho, aniversário da Sereníssima Princesa Imperial.  Na monarquia, sob a proteção magnânima de D. Pedro, o asilo prosperou. Cercado de vastos jardins, possuiu claras escolas, alegres oficinas e largas  enfermarias; guardou-se, num Museu Militar, gloriosos troféus guerreiros, e, não raro, nos dias festivos, em salas apropriadas os inválidos heróis despojavam-se dos seus louros e disputavam os de João Caetano. Em 1909, quando foram publicadas as fotografias seguintes, na revista "Kosmos", o que ainda não era ruína na Ilha, tendia dramaticamente a este fim. Na vizinhança imunda de Sapucaia, sob negras nuvens de moscas, a Ilha de Bom Jesus emergia-se, garbosamente ereta em outeiros, que à distância, no isolamento plácido das águas, assumiam proporções grandiosas de montes. 

Ilha de Bom Jesus (Rio de Janeiro) - O Asilo de Inválidos da Pátria, em 1909
Ilha de Bom Jesus (Rio de Janeiro) - Antônio Francisco Rodrigues, o mais antigo habitante da Ilha, em 1909, juntamente com sua família

Ilha de Bom Jesus (Rio de Janeiro) - Ruínas do Museu Militar, em 1909

Ilha de Bom Jesus (Rio de Janeiro) - Vista da Ilha, em 1909

Ilha de Bom Jesus (Rio de Janeiro) - Inválidos da pátria, em 1909

Ilha de Bom Jesus (Rio de Janeiro) - Igreja de Bom Jesus, onde esteve sepultado o corpo de general Osório, em 1909

---
Fonte:

Revista "Kosmos", edição de 1909, disponível digitalmente no site da Biblioteca Nacional Digital do Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Excetuando ofensas pessoais ou apologias ao racismo, use esse espaço à vontade. Aqui não há censura!!!