O mito de Darwin e os outros mitos - IV

FÁBULAS DA CIÊNCIA

A TEORIA DA FLOGÍSTICO (OU FLOGISTO)
Essa teoria dizia que todos os corpos combustíveis, incluindo os metais, possuíam um material comum, o flogístico, que escapava durante a combustão, mas podia ser facilmente transferido de um para outro corpo. Embora esse tal “flogístico” nunca tenha existido, durante quase cem anos ele foi aceito como um fato consumado.

A GERAÇÃO ESPONTÂNEA (OU ABIOGÊNESE)
De acordo com Amabis e Martho, em “Fundamentos da Biologia Moderna”, “até meados do século XIX, a população em geral e parte considerável dos cientistas recorriam à teoria da geração espontânea, também conhecida por abiogênese, para explicar a origem da vida na Terra”.

O LAMARCKISMO
Da forma como foi inicialmente formulado por Lamarck, esta teoria dizia, por exemplo, que se o rabo do cachorro fosse cortado a cada geração, os rabos curtos seriam finalmente herdados geneticamente.

A TEORIA DA RECAPITULAÇÃO

Essa teoria, que tinha como lema “a ontogenia recapitula a filogenia”, afirmava que o desenvolvimento embrionário de cada espécie, ou seja, a ontogenia, recapitulava a história dessa mesma espécie, ou seja, a filogenia. Com outras palavras, dizia-se que ao longo do seu desenvolvimento embrionário um indivíduo representava uma das formas que teve em sua história evolutiva.

A TEORIA DO ÉTER

O “éter” foi uma forma que alguns cientistas usaram para exemplificar o que denominaram de “observador privilegiado”, algo imaginado a partir das dificuldades em explicar a teoria eletromagnética.

A TEORIA DOS QUATRO HUMORES
Segundo esta teoria, o corpo humano é composto de quatro substâncias básicas, que denominaram de “quatro humores”, a partir do qual era possível indicar como se encontrava a saúde de uma pessoa.

A FRENOLOGIA
Esta teoria afirmava que o formato do crânio, da cabeça e da feição podia revelar tendências criminosas numa pessoa. Um que usou e abusou desta teoria foi o médico italiano Cesare Lombroso.

LENDAS DO DARWINISMO

A "SOBREVIVÊNCIA DO MAIS APTO"
Segundo o darwinismo, a Seleção Natural tende a favorecer o indivíduo mais forte, mais esperto, mais inteligente e mais egoísta no sentido de preservação da própria vida e descendência, contudo, além de se tratar de mera tautologia, tal assertiva não explica, por exemplo, por que a natureza criou heróis altruísticos prontos a se sacrificar pelos mais fracos.

A COEVOLUÇÃO

A chamada "coevolução" não consegue explicar satisfatoriamente as relações entre um hospedeiro e o seu parasita, levando em conta, por exemplo, a hiperfecundidade deste último.

O ADAPTACIONISMO
O adaptacionismo é uma das mais utilizadas muletas darwinistas. Quando um argumento adaptativo falha, tenta-se outro em seu lugar. Se se descobre, por exemplo, que o rosto largo dos Esquimós não foi uma adaptação ao frio, diz-se que fora assim constituído para aumentar a força mastigatória das suas mandíbulas etc. e tal.

O ALTRUÍSMO

Segundo explicação darwinista, ao beneficiar seus parentes, os atos altruístas preservem os genes altruístas, mesmo que o altruísta não seja aquele que vai perpetuá-los, de modo que, ao executá-lo, um altruísta estará na verdade aumentando sua própria representação genética em futuras gerações. Ou seja, a seleção favorecerá a preservação desses genes altruístas. Porém, o que dizer de atos altruístas em benefício de não-parentes?

O GRADUALISMO

Segundo os darwinistas, a evolução deu-se lenta e gradativamente e, a chamada explosão marcaria apenas o primeiro surgimento no registro fóssil de criaturas que teriam se desenvolvido durante boa parte do pré-cambriano. Sendo assim, o que teria impedido a fossilização de faunas tão ricas?

O RELOJOEIRO CEGO

Uma das maiores dificuldades da tese do “relojoeiro cego” refere-se à sua extrema incapacidade em explicar a evolução gradual dos sistemas bioquímicos complexos ou como um estágio evolutivo sucedeu outro nesse caso específico.

A SELEÇÃO DE PARENTESCO

Por que, afinal, toda espécie ameaçada em sua sobrevivência não poderia reagir ao desafio pelo o aumento de sua fertilidade? Por que não seriam eliminadas todas as espécies, exceto as mais férteis?


É isso!

7 comentários:

  1. Bom, muito bom...
    Só gostaria de algo mais abrangente sobre o éter!
    Rsrsrs

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Extremamente tendencioso o texto. Com muitos erros conceituais, provavelmente por falta de uma pesquisa mais aprofundada e sem justificativas ou embasamento para a forma como interpreta e expõem alguns pontos da teoria evolucionista Darwiniana. O parágrafo sobre o adaptacionismo foi o mais forçado e tosco de todos.
    Possíveis explicações para as formas dos seres vivos são teorias, que devem ser testadas e confirmadas ou contraditas. É assim que se faz Ciência, provando as teorias antigas estavam erradas, reformulando-as ou abandonado-as e propondo novas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, texto arbitrário, sem embasamento cientifico. O que tem a ver o altruísmo humano com o Darwinismo? A seleção natural não favorece os indivíduos mais fortes, inteligentes, ou esperto e sim, o mais adaptado ao ambiente. Que ideia mais antropocêntrica!!! Ridículo

      Excluir
    2. Caro anônimo,

      Agradeço a gentileza do comentário...
      De fato, não há aqui nenhuma pretensão "científica". A postagem é uma simples e sintética exposição, que seja lá tosca, de algumas dificuldades que ao longo dos tempos se avolumam no seio do darwinismo. Quanto à relação do altruísmo com o darwinismo (entenda-se evolução), é patente e amplamente estuda por pesquisadores da área. Vide, por exemplo, o sociobiólogo E. O. Wilson. Abraços...

      Excluir
    3. Infelizmente, Sr. Iba, nas Ciências naturais, com a biologia, ainda exitem muitos criacionistas, como Darwin já o foi antes de se tornar evolucionista. Ou você é um cientista ou criacionista pois a ciência é contraria aos dogmas religiosos. Este sr. E.O Wilson, sociobiólogo tem a teoria dele, como outros pesquisadores também têm. O que importa é que, até que surjam novas evidências, a Evolução está em voga, mesmo com críticas. O problema é que, nós, seres humanos, pensamos que somos o ser mais evoluído que existe neste planeta... É só pensar que um simples vírus é capaz de invadir nossas células, replicar seu código genético usando nossa maquinaria celular e nos causar danos até mesmo irreparáveis! Pense nisto, alias já que você pensa em altruísmo, na natureza, não existem moral... Moral é uma condição humana... A natureza caminha nos passos da Evolução! Leia Dobzhansky!

      Excluir
  4. oi iba eu so a lucelia e queria te agradecer pela ajuda.muito obrigada

    ResponderExcluir

Excetuando ofensas pessoais ou apologias ao racismo, use esse espaço à vontade. Aqui não há censura!!!