Animais do futuro

No ano passado, foi realizada na França uma exposição denominada "Animais do Futuro", que procurava mostrar como seria a fauna do planeta terra daqui há alguns milhões de anos, com base numa projeção feita a partir das mudanças climáticas e dos movimentos das placas terrestres e, é claro, "em tudo que se conhece de evolução" atualmente. O resultado pode ser visto nos exemplos, a seguir, extraídos do site BBC.
É viver para ver!!!((rs))



Visitantes observam "lula-macaco". Descendente da lula, evoluiria para animal terrestre. Como seus ancestrais, não possuiria esqueleto e manteria oito braços e dois tentáculos com ventosas. Viveria em florestas densas e possuiria visão desenvolvida, com olhos situados em duas espécies de hastes.
Este seria o descendente do macaco uacari de cara vermelha, da Amazônia. Em 5 milhões de anos, a floresta tropical seria susbstituída pela savana e os uacaris desceriam das árvores, que não existiriam mais. Não usariam mais as caudas para se balançar entre os galhos e sim para se comunicar.
O "oisson", existiria dentro de 200 milhões de anos, descendente dos peixes-voadores. As nadadeiras dos peixes-voadores permitem planar em uma distância de até 100 metros. As de seus descendentes se tornariam verdadeiras asas. Como o beija-flor, poderia voar rápido e permanecer imóvel no ar.
Lesma com 30 cm de altura existiria em 200 milhões de anos. A água seria um elemento tão raro que a pele se tornaria dura e com escamas, como a de um réptil. Para conservar sua umidade corporal, ele não poderia mais se arrastar para se deslocar, se moveria pulando.
Criaturas marinhas dotadas de uma concha e inúmeras patas longas. Com a extinção de boa parte dos animais marinhos, esses descendente dos crustáceos (caranguejos, camarões, lagostas) teriam pés flexíveis e articulados, carapaça protetora e passariam a ter uma cauda flexível para nadar.


O "tortunossauro" evoluiria a partir da tartaruga gigante. Esse réptil, em 100 milhões de anos, seria o maior animal terrestre, com sete metros de altura. Maior do que um dinossauro, seu peso, de 120 toneladas, seria 40 vezes maior do que o de um elefante. Perderia a maior parte de sua carapaça.
Este animal seria semelhante aos grandes pássaros terrestres. Devido às suas patas potentes, ele seria um dos caçadores mais rápidos da Amazônia. Ele encontraria sua comida no chão e somente utilizaria suas asas curtas para se equilibrar ao correr, como um avestruz.
O "grande planador azul" seria um passáro que viveria nos picos das montanhas. Como ele passaria a maior parte do tempo nos ares, a evolução lhe dotaria de dois pares de asas, com 15 metros de comprimento. Para se proteger do Sol, ele possuiria plumagem azul metálica, para refletir a luz.

Enquanto o ancestral desse roedor, a capivara, apresenta um pêlo mais denso, o "cuirasson" possui em suas costas uma carapaça com escamas, com pêlos duros e espessos, semelhantes aos do porco-espinho.
Textos das ilustrações, site da BBC


É isso!

4 comentários:

  1. Evolução não direcionada, sem propósito, aleatório, cego. Como podem me dizer o que vai ser daqui a 200 milhões de anos se não puderam me dizer o que aconteceu a 1 milhão de anos atras? Não vale enrolação com contos de fadas.

    ResponderExcluir
  2. Maycon R. Campos

    Ninguém está afirmando nada. É apenas uma previsão. Se não acredita que pode se tentar prever as coisas, deixe de assistir a previsão do tempo.

    É aleatório e cega a mutação. Mas a seleção natural direciona as evoluções.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. otimo perfeito estranho e um pouco louco mas não vale nada tentar animar as pessoas e daqui a 200 milho~es de anos talves não esistamos mais e até la tudo vai estar mudaado com talvez esplosoes no planeta ou serios problemas ambientais

    ResponderExcluir

Excetuando ofensas pessoais ou apologias ao racismo, use esse espaço à vontade. Aqui não há censura!!!