A teoria do pensamento complexo de Edgar Morin

UMA ESCOLHA: A TEORIA DO PENSAMENTO COMPLEXO DE EDGAR MORIN

"Conforme Morin (2003), a ciência está sempre em movimento, em ebulição, e talvez o próprio fundamento de sua atividade seja ser impulsionada por um poder de transformação. Esta visão revela o que temos sentido quando pensamos na ciência clássica, que se mostrou de extraordinária fecundidade no progresso do conhecimento científico em várias áreas, mas que tem se mostrado insuficiente para atender às necessidades atuais.

A ciência clássica é formada por princípios que comandam e controlam a inteligiblidade, e que ligados uns aos outros produzem uma visão simplificadora do universo. A este conjunto de princípios, Morin (2003, p. 330-331) dá o nome de paradigma da simplificação. Segundo o autor, estes princípios são os seguintes:

1. Princípio de universalidade: “só há ciência do geral”. Expulsão do local e do singular como contingentes ou residuais.
2 . Eliminação da irreversibilidade temporal, e, mais amplamente, de tudo que é eventual e histórico.
3. Princípio que reduz o conhecimento dos conjuntos ou sistemas ao conhecimento das partes simples ou unidades elementares que os constituem.
4. Princípio que reduz o conhecimento das organizações aos princípios de ordem (leis, invariâncias, constâncias, etc.) inerentes a essas organizações.
5. Princípio de causalidade linear, superior e exterior aos objetos.
6. Soberania explicativa absoluta da ordem, ou seja, determinismo universal e impecável: aleatoriedades são aparências devidas à nossa ignorância. Assim, em função dos princípios 1, 2, 3, 4 e 5, a inteligibilidade de um fenômeno ou objeto complexo reduz-se ao conhecimento das leis gerais e necessárias que governam as unidades elementares de que é constituído.
7. Princípio de isolamento/separação do objeto em relação ao seu ambiente.
8. Princípio de separação absoluta entre objeto e o sujeito que o percebe/concebe. A verificação por observadores/experimentadores diversos é suficiente não só para atingir a objetividade, mas também para excluir o sujeito conhecente.
9. Ergo: eliminação de toda a problemática do sujeito no conhecimento científico.
10. Eliminação do ser e da existência por meio da quantificação e da formalização.
11. A autonomia não é concebível.
12. Princípio de confiabilidade absoluta da lógica para estabelecer a verdade intrínseca das teorias. Toda a contradição aparece necessariamente como erro.
13. Pensa-se inscrevendo idéias claras e distintas num discurso monológico.

Estes princípios têm sido questionados por pesquisadores que acreditam na necessidade da reforma do pensamento científico. Pesquisadores que diante da cibercultura não conseguem conceber o contexto a partir do paradigma da simplificação. E nos juntamos a eles neste estudo buscando, na teoria do pensamento complexo de Edgar Morin uma das possíveis respostas para esta reforma. Assim, neste capítulo procuramos destacar alguns dos principais aspectos da obra de Edgar Morin, que nos parecem ser fundamentais para o entendimento de sua teoria. Esta revela a perspectiva de percepção de mundo sobre a qual desenvolvemos nosso estudo. Apesar de nos valermos das idéias de outros autores ao longo do trabalho, a teoria de Edgar Morin foi a base de sustentação do estudo.

A CIÊNCIA
Morin (2003) considera que a ciência deve ser percebida na sua ambivalência, ou seja, ao mesmo tempo em que é elucidativa, enriquecedora, conquistadora, ela é cega, míope e produtora do aniquilamento da humanidade. A partir do momento em que o pensamento for capaz de conceber e compreender essa ambivalência, ele será capaz de considerar a complexidade intrínseca que se encontra no cerne da ciência. Com isso, será possível ter consciência das possibilidades e limitações da ciência. Segundo Morin (2003), o papel e a situação da ciência na sociedade modificaram-se a partir do Século XVII. Em sua origem, os investigadores eram ao mesmo tempo filósofos e cientistas, a atividade científica era sociologicamente periférica, marginal. Hoje, conforme o autor, “a ciência tornou-se poderosa e maciça instituição no centro da sociedade, subvencionada, alimentada, controlada pelos poderes econômicos e estatais. Assim, estamos num processo inter-retroativo” (2003, p.19), como representado na figura a seguir:

A técnica que é produzida pelas ciências transforma a sociedade, e a sociedade tecnologizada, retroativamente, transforma a ciência. Nesse circuito o Estado também desempenha um papel ativo, de acordo com seus interesses econômicos, promove programas e subvenções. Assim, a instituição científica suporta as coações tecnoburocráticas estatais ou vindas dos grandes aparelhos econômicos, mas estes órgãos não são guiados pelo espírito científico, eles apenas utilizam os poderes que a investigação científica lhes dá (MORIN, 2003).

A partir dessa ligação da ciência com a sociedade, Morin procura chamar a atenção para o fato de que todas as ciências, incluindo as físicas e biológicas, são sociais, mas também tudo aquilo que é antropossocial tem uma origem, um enraizamento e um componente biofísico (2003). No entanto, segundo o autor, tanto a ciência natural não consegue conceber-se como realidade social, como a ciência antropossocial não tem meios para conceber seu enraizamento biofísico. Com isto, “o conhecimento científico é um conhecimento que não se conhece. Essa ciência, que desenvolveu metodologias tão surpreendentes e hábeis para apreender todos os objetos a ela externos, não dispõe de nenhum método para se conhecer e se pensar” (Ibid, p.20).

Esta privação da possibilidade da ciência de se conhecer está ligada ao império do paradigma da simplificação, que se caracteriza pelos princípios da disjunção, da redução e da abstração. Baseados nestes princípios, os três grandes campos do conhecimento científico: a física, a biologia e a ciência do homem, se isolaram radicalmente (MORIN, 1990).

Esse isolamento levou a uma dupla visão de mundo: de um lado, o mundo de objetos submetidos a observações, experimentações, manipulações (a ciência e a pesquisa objetiva); de outro lado, o mundo de sujeitos que questionam os problemas da existência, de consciência, de comunicação, de destino (a filosofia e a pesquisa reflexiva) (MORIN, 2000a).

Esta disjunção influencia a nossa maneira de viver e ver o mundo até os dias de hoje quando, por exemplo, separamos sujeito/objeto, qualidade/quantidade, alma/corpo, espírito/matéria, finalidade/causalidade. O que Morin propõe é um rompimento com este paradigma da simplificação, que impede de conceber a relação, ao mesmo tempo, de implicação e separação entre o homem e a natureza. No lugar dele, Morin propõe o paradigma da complexidade, baseado na implicação/distinção/conjunção.

Morin entende por paradigma a “promoção/seleção dos conceitos mestres da inteligibilidade. [...] o nível paradigmático é o do princípio de seleção das idéias que estão integradas no discurso ou na teoria, ou postas de lado e rejeitadas” (Ibid., p. 24-25).

A vitalidade da ciência se apóia, justamente, no conflito entre os diferentes paradigmas, pois as idéias antagônicas e contraditórias podem se tornar complementares e promoverem um salto qualitativo. Segundo Morin, o conflito é fecundo, e a ciência, mesmo quando decide por teorias extremamente simplificadoras, está fundamentada na complexidade do conflito.

A ciência, segundo Morin (2003, p.53), “[...] tem quatro pernas independentes entre si: empirismo e racionalismo, imaginação e verificação”. O progresso da ciência ocorreu em função da dialógica complexa permanente, complementar e antagonista entre suas quatro pernas. Morin diz que “no dia em que andar sobre duas pernas, ou tiver uma perna só, a ciência desabará (Ibid., p.190).

O conhecimento científico está em constante renovação, e vários princípios que regiam a ciência clássica estão sendo questionados. As ciências modernas trabalham com o acaso e a necessidade, reconhecem e enfrentam as contradições, introduzem o observador na observação; todos princípios que não eram aceitos na ciência clássica. Podemos observar, assim, que não existe uma verdade científica, existem verdades provisórias que se sucedem. Por esse motivo, não é mais possível insistir na idéia de certeza teórica, absoluta.

Morin (2000a) ressalta que o progresso das certezas científicas tem produzido o progresso da incerteza, uma incerteza que nos liberta da ilusão ingênua da previsibilidade. Uma nova consciência começa a se desenvolver, a de que a humanidade é conduzida para uma aventura desconhecida.

A COMPLEXIDADE
Morin, ao longo de seu trabalho, tem apontado para a necessidade de romper com a fragmentação do saber, que divide as disciplinas, as categorias cognitivas e os tipos de conhecimento. Ele procura mostrar que a aspiração à complexidade tende para o conhecimento multidimensional. Isto não quer dizer que este é um conhecimento que vai dar todas as informações sobre um fenômeno estudado, mas ele vai considerar e respeitar as suas diversas dimensões. Por esse motivo, Morin (2003, p. 177) diz que “[...] ao aspirar a multidimensionalidade, o pensamento complexo comporta em seu interior um princípio de incompletude e de incerteza”.

Nesse sentido, a complexidade aparece como dificuldade e incerteza, não como clareza e resposta. Este fato fez com que, durante muito tempo, as ciências naturais fossem mais valorizadas por fazerem leis e princípios simples, e com isso reinasse nas suas concepções a ordem e o determinismo, enquanto que as ciênciashumanas e sociais eram criticadas por não poderem se livrar da complexidade aparente dos fenômenos humanos.

No entanto, atualmente, existe uma crise da explicação simples nas ciências naturais e a incerteza, a desordem, a pluralidade, a contradição, etc., fazem parte de uma problemática geral do conhecimento científico. Morin acredita e propõe em sua obra que se busque compreender a contradição e o imprevisível, a pluralidade e a unidade, a ordem e a desordem, a partir da convivência com eles, pois esse é o fundamento do pensamento complexo, distinguir, mas não separar.

No senso comum, ou mesmo em diferentes domínios científicos, há a idéia de que complexo é aquilo que é complicado, o que acaba por simplificar e reduzir o sentido do termo complexo usado por Morin. Segundo o autor,

Complexus significa o que foi tecido junto; de fato, há complexidade quando elementos diferentes são inseparáveis constitutivos do todo (como o econômico, o político, o sociológico, o psicológico, o afetivo, o mitológico), e há um tecido interdependente, interativo e inter-retroativo entre o objeto de conhecimento e seu contexto, as partes em si. Por isso a complexidade é a união entre a unidade e a multiplicidade (MORIN, 2000a, p.38).

A complexidade, assim, é entendida como a união da simplicidade e da complexidade; é a união dos processos de simplificação, com os outros contraprocessos que são a comunicação, que são a articulação do que está dissociado e distinguido, e “é o escapar à alternativa entre o pensamento redutor que só vê os elementos e o pensamento globalista que apenas vê o todo” (MORIN, 1990, p.148). Mas a complexidade, ainda segundo Morin, “não é apenas a união da complexidade e da não-complexidade, ela encontra-se justamente no âmago da relação entre o simples e o complexo porque uma tal relação é ao mesmo tempo antagônica e complementar” (Ibid., p.149).

Morin define três princípios que podem ajudar a pensar a complexidade. São eles: dialógico, recursivo e hologramático.

O princípio dialógico “pode ser definido como a associação complexa (complementar/concorrente/antagonista) de instâncias, necessárias conjuntamente à existência, ao funcionamento e ao desenvolvimento de um fenômeno organizado” (MORIN, 1996, p.95). O autor exemplifica o conceito mostrando como a ordem e a desordem podem ser concebidas de maneira dialógica. A ordem e a desordem, ao mesmo tempo em que suprimem uma a outra, em certos casos, colaboram e produzem organização e complexidade. “O termo dialógico quer dizer que duas lógicas, dois princípios, estão unidos sem que a dualidade se perca nessa unidade[...]” (MORIN, 2003, p. 189). Neste sentido, o princípio dialógico permite-nos manter a dualidade no seio da unidade, associando dois termos ao mesmo tempo complementares e antagônicos. Sendo assim, o princípio dialógico enfatiza as divergências, mas não apenas acentua oposições entre essas, acentua igualmente as possibilidades de conciliações provisórias.

O princípio recursivo é um processo em que os produtos e efeitos são ao mesmo tempo causas e produtores daquilo que produziram. Esta idéia, portanto, rompe com a idéia linear de causa/efeito, produto/produtor, pois tudo o que é produzido volta sobre o que produziu num ciclo ele mesmo autoconstitutivo, auto-organizador e autoprodutor (MORIN, 1990). No princípio recursivo, os produtos são necessários para a própria produção do processo que se dá em espiral crescente. O princípio hologramático considera que a parte está no todo, mas também o todo está na parte. Está idéia ultrapassa o reducionismo que só vê as partes e o holismo que só vê o todo. Neste princípio, está ligada a idéia recursiva, pois das partes se regressa para o todo e do todo se regressa para as partes.

ORDEM – DESORDEM – ORGANIZAÇÃO
Morin coloca que o problema da relação ordem/desordem é paradigmático e a definição de tal relação controla todas as teorias, todos os discursos, toda práxis e, claro, toda a política (2002). Na visão do autor, há necessidade de pensarmos a ordem, a desordem e a organização juntas, pois são termos que se remetem um ao outro e formam uma espécie de circuito em movimento. Estes são conceitos que estão presentes no Universo e na vida em todas as sua dimensões. Segundo Morin, “[...] é necessária a binocularidade mental, uma vez que vemos um universo que se organiza desintegrando-se” (2003, p. 195).

No entanto, essa visão que defende Morin, não era aceita na ciência clássica, na qual a palavra mestra era a ordem, que dava a idéia de absoluto, substancial, incondicional e eterno. A desordem era excluída, pois mostrava um sinal de erro. Assim, a “Verdadeira Realidade é a Ordem física, onde todas as coisas obedecem às leis da Natureza, Ordem biológica, onde todo o indivíduo obedece à lei da espécie, Ordem social, onde todo humano obedece à lei da cidade” (2002, p. 52). A partir do Século XIX, entretanto, impulsionado por alguns estudos da física, como o princípio da Termodinâmica, a visão dicotômica entre ordem e desordem passa a ser questionada. Os estudos indicam que a ordem e a desordem cooperam, de certa maneira, para organizar o universo.

Neste sentido, percebemos que a ordem estabelecida desintegra-se, em função de aspectos do acaso, desordenando o seu estado original e, a partir dessa desordem se inicia o processo de transformação e organização do sistema. Segundo Morin (1990, p. 91), “a complexidade da relação ordem/desordem/organização surge quando se verifica empiricamente que fenômenos desordenados são necessários em certas condições, em certos casos, para a produção de fenômenos organizados, que contribuem para o aumento da ordem”.

Morin diz que o conceito de ordem ultrapassa o antigo conceito de lei. Na noção de ordem existe, não só a idéia do determinismo pautado na estabilidade, constância, regularidade, repetição, mas também a noção de estrutura e, ainda, de singularidade. Segundo o autor,

sabemos muito bem que aquilo que denominamos a ordem viva está ligado a seres vivos singulares, e as espécies vivas aparecem-nos como produtoras/reprodutoras de singularidades. Por tanto, a ordem já não é antinômica da singularidade, e essa nova ordem desfaz a antiga concepção que afirma: só há ciência do geral
(2003, p.198).

A ordem, ainda, está ligada à idéia de interações, ou seja, nada existe sem a interdependência entre influências externas e internas. Além disso, com a noção de estrutura, a idéia de ordem demanda a idéia de organização. “Na verdade a ordem singular de um sistema pode ser concebida como a estrutura que o organiza” (MORIN, 2003, p. 198). Assim, com o enriquecimento da idéia de ordem, que recorre às idéias de interação e organização, sem poder expulsar a desordem, o conceito de ordem relativizou-se. De fato, conforme Morin, “complexificação e relativização andam juntas. Já não existe ordem absoluta, incondicional e eterna” (Ibid., p. 199).

Em relação à desordem, Morin afirma que é uma idéia ainda mais rica que a de ordem, porque ela comporta um pólo objetivo e outro subjetivo. No pólo objetivo,

estão as agitações, dispersões, colisões, ligadas ao fenômeno calorífico; estão também as irregularidades e as instabilidades; os desvios que aparecem num processo, que o perturbam e transformam; os choques, os encontros aleatórios, os acontecimentos, os acidentes; as desorganizações; as desintegrações; em termos de linguagem informacional, os ruídos, os erros
(2003, p. 199).

Já no pólo subjetivo, a idéia é a da impredictabilidade ou da relativa indeterminabilidade. Assim, a desordem, para o espírito, traduz-se pela incerteza. E Morin chama a atenção para o fato de que a dialógica da ordem e da desordem mostra que o conhecimento deve tentar negociar com a incerteza. Sendo assim, o objetivo do conhecimento não é mais o conhecimento certo, como na concepção da ciência clássica, mas é o de dialogar com o mundo. Esse diálogo incita a crítica ao saber estabelecido, que se impõe como certo; ao auto-exame e à tentativa de autocrítica.

Portanto, é preciso que aprendamos a pensar conjuntamente a ordem e a desordem, mas para estabelecer esse diálogo, Morin diz que precisamos associá-las a outras noções, e assim ele sugere a idéia do tetragrama, como é mostrado na figura 2.

Para o autor: “Esse tetragrama permite-nos conceber que a ordem do universo se autoproduz ao mesmo tempo que esse universo se autoproduz, por meio das interações físicas que produzem organização, mas também desordem” (MORIN, 2003, p. 204).

Percebemos, então, a importância de considerar a ordem e a desordem se quisermos conceber o nosso mundo, pois “um mundo absolutamente determinado, tanto quanto um completamente aleatório, é pobre e mutilado; o primeiro, incapaz de evoluir, e o segundo, de nascer” (Ibid., p. 202).

O CONHECIMENTO: NOÇÃO DE AUTO-ECO-ORGANIZAÇÃO, SUJEITO E AUTONOMIA
Todo o conhecimento é processo auto-eco-organizador, pois a dimensão cognitiva faz parte da dimensão organizacional da vida. A construção do conhecimento se faz a partir do auto-conhecimento, para se chegar a uma consciência da realidade que o rodeia. Esse processo auto-eco-organizador é a capacidade do sistema, concebido como uma organização viva, de transformar-se sempre, de reorganizar-se. Nesse processo, então, o sujeito transforma-se, constrói sua identidade e está sempre num movimento de aprendizagem.

Morin (1996) propõe que, baseado nessa dialógica de auto-eco-organização, podemos conceber a aprendizagem, como explicitado no 1º capítulo, a partir de uma dialógica não só do inato/adquirido, mas também do inato/adquirido/construído. Segundo o autor, os termos inato/adquirido/construído se encadeiam, se permutam e entreproduzem num processo evolutivo espiral, que desenvolve a cerebralização, e, por isso mesmo, as competências inatas aptas para adquirir conhecimento. “O desenvolvimento das competências inatas anda a par do desenvolvimento das aptidões para adquirir, memorizar e tratar o conhecimento. É, pois, esse movimento espiral que nos permite compreender a possibilidade de aprender” (Ibid., p. 61).

Nesse sentido, para promovermos processos de aprendizagem, não podemos dissociar o conhecimento da vida humana e da relação social. O pensamento “ecologizante” que é proposto por Morin, “situa todo o acontecimento, informação ou conhecimento em relação de inseparabilidade com seu meio ambiente – cultural, social, econômico, político e, é claro, natural” (2000b, p. 25).

Nesta perspectiva, é relevante considerar que o ser humano que emerge da realidade complexa e histórica, é um ser pertencente a uma espécie, que necessita da relação com a natureza, com os outros seres humanos e consigo mesmo para se conhecer e se transformar, num movimento de auto-eco-exo-conhecimento numa concepção de indivíduo-sujeito. Este indivíduo se torna sujeito quando autor de seu processo organizador. Esta busca da auto-organização se dá através da construção e reconstrução de sua autonomia.

A autonomia é adquirida a partir de inúmeras dependências, por exemplo: é preciso aprender a falar e escrever, é preciso ser amado e criado pelos pais. Assim, a autonomia não pode ser entendida em oposição à dependência, mas em complementaridade (MORIN, 1996).

Esta autonomia-dependência com o mundo externo se expressa de maneira abstrata e concreta, por meio de atividades teóricas e práticas, em basicamente três dimensões: técnica, política e ética, tendo a dimensão política o propósito de desenvolver o ser humano, como ser social e suas relações mútuas na busca da hominização (MORIN e KERN, 1995). A dimensão política se revela nas relações de poder que se dão no contexto cultural, levando o sujeito à tomada de decisões com o propósito de impelir ações na natureza. Para isso a política precisa tratar da multidimensionalidade dos problemas humanos se desenvolvendo de maneira autônoma-dependente, em que as suas ações entram no jogo de inter-retroações que se estabelece nas dimensões técnica e ética, com isto, fazendo com que as ações obedeçam por pouco tempo à intenção dos seus iniciadores, tornando seus efeitos imprevisíveis.

Nunca estamos certos se as nossas ações vão responder às nossas intenções e essa incerteza nos leva a atuar de maneira estratégica. A estratégia modifica o roteiro da ação, durante o trajeto, em função de acontecimentos inesperados, eventualidades, obstáculos e com isso se enriquece em experiência e em capacidade de responder à adversidade (MORIN e KERN, 1995).

Nessa perspectiva de ação estratégica se desenvolve a dimensão ética. “A ética necessita, na maior parte dos casos, de uma estratégia, isto é, de uma política, e a política põe o problema dos meios e dos fins éticos” (MORIN, 1997, p. 105). A ética é entendida, como a pluralidade de deveres a que estamos submetidos e que, muitas vezes, necessitam de uma ação estratégica para encadear-se à realidade.

Temos um dever egocêntrico, em que cada um é para si mesmo centro de referência e de preferência, e que nos é necessário para viver. Temos um dever genocêntrico em que são os nossos genitores e progenitores, família e clã, que constituem o centro de referência e de preferência. Temos um dever sociocêntrico em que a nossa sociedade se impõe como centro de referência e preferência
(MORIN, 1997, p.102).

Estes deveres se explicitam seguidamente em antagonismos, mas é preciso conviver com eles, decidir e apostar, pois a ética faz parte da realidade humana, movendo idéias e ações do ser humano que se concretizam na dimensão técnica. Nessa dimensão, o sujeito se expressa através de sua prática produtiva, do trabalho, num processo de permanente troca com a natureza, na busca de atender suas necessidades básicas de existência material. Essa prática, no entanto, não se dá individualmente, pois o ser humano é um ser coletivo. Essas dimensões, política, técnica e ética se dão no tríplice universo das mediações existenciais: o universo do poder, do fazer e do saber, que são permeadas pelo universo do conviver, reproduzindo-se num circuito recursivo permanente em que cada universo é ao mesmo tempo produtor/produto, causa/efeito, fim/meio do outro.

Esses universos formam o que chamamos de cultura, e que Morin (2002, p. 56) define como: “o conjunto dos saberes, fazeres, regras, normas, proibições, estratégias, crenças, idéias, valores, mitos, que se transmite de geração em geração, se reproduz em cada indivíduo, controla a existência da sociedade e mantém a complexidade psicológica e social”. A figura a seguir representa este circuito recursivo da cultura.

Neste circuito recursivo da cultura, que envolve os seres humanos, encontramos o pesquisador e a produção científica, que se desenvolvem e se expressam nestes diferentes universos, e por isto nos dão à idéia de que não há ciência pura. Há uma influência, mesmo na ciência que se considera mais pura, da política, da técnica e da ética, embora não se possa reduzir a ciência a essas noções. No entanto, elas interferem/influenciam nos princípios ontológicos, epistemológicos e metodológicos que embasam a pesquisa científica. Ao mesmo tempo em que estes princípios influenciam/interferem nestes universos. Nessa relação recursiva é que visualizamos a cibercultura, que se expressa em todas estas dimensões, demandando uma revisão dos princípios que têm embasado a pesquisa científica. Ao passo em que estes princípios têmproporcionado investigações que possibilitam/limitam o desenvolvimento da cibercultura.”

---
Fonte:
MARCIA PAUL WAQUIL: "PRINCÍPIOS DA PESQUISA CIENTÍFICA EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM: UM OLHAR FUNDAMENTADO NO PARADIGMA DO PENSAMENTO COMPLEXO". (Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul como requisito parcial para a obtenção do título de Doutor em Educação. Orientadora: Profa. Dra. Patrícia Alejandra Behar). Porto Alegre, 2008.

Nota:
A imagem inserida no texto não se inclui na referida tese.
As referências bibliográficas de que faz menção o autor estão devidamente catalogadas na citada obra.

2 comentários:

Excetuando ofensas pessoais ou apologias ao racismo, use esse espaço à vontade. Aqui não há censura!!!