“ A Morte do Lidador”, de Alexandre Herculano

Por: Iba Mendes (2004)

INTRODUÇÃO:
Em 711, os árabes, sob o lema da “guerra santa”, invadiram e Europa pelo estreito de Gibraltar, descortinando e dominando a Península Ibérica. Durante todo o período em que dominaram a região, eles (mouros ou muçulmanos) tiveram de enfrentar constantemente as reações violentas dos cristãos. E como conseqüência dessa luta e após inumeráveis enfrentamentos, nasceu enfim Portugal.

A lenda “A Morte do Lidador”, de Alexandre Herculano, fundamenta-se no movimento cristão característico à Península Ibérica, denominado Reconquista. A narrativa, construída a partir de vasta documentação medieval e tecida por distintos elementos (históricos, semilendários e lendários), norteou-se, principalmente, por meio de aspectos políticos e sociais, cujo intuito era mostrar a verdade. A moral e a ética também são elementos essenciais no desenvolvimento da história. Por exemplo: “O único intuito do que escrevi foi deixar às gerações futuras em Portugal alguns meios para uma coisa que me parece hão-de algum dia tentar fazer, isto é, tornar as instituições mais harmônicas, mais conseqüentes com as tradições e índole desta família portuguesa”.

BREVE ANÁLISE
Aos 95 anos de idade, Gonçalo Mendes da Maia, o escolhido do rei para proteger a fronteira da cidade de Beja, pretende comemorar seu aniversário com uma façanha verdadeiramente digna de um autêntico cristão: reconquistar as terras das mãos dos infiéis invasores muçulmanos: “Senhores cavaleiros, hoje contam-se noventa e cinco anos que recebi o batismo, oitenta que visto armas, setenta que sou cavaleiro, e quero celebrar tal dia fazendo uma entrada por terras da fronteira dos mouros”. O título de Lidador não lhe fora dado sem o devido merecimento, visto que prematuramente aos 15 anos de idade já havia ingressado na carreira militar, alcançando aos 25 a denominação honorífica de cavaleiro. Sua excessiva coragem e o seu audacioso temperamento também contribuíram na conquista de tão honrada posição: “...pelas muitas batalhas que pelejara e por seu valor indomável, chamavam o Lidador”.

O rei que o nomeara foi Afonso Henriques, filho de Henrique de Borgonha, que, no século XII (1139) conseguiu a independência do reino de Leão, no norte, fundando a monarquia portuguesa e organizando a primeira dinastia, conhecida como dinastia de Borgonha, que governou Portugal por longos 244 anos (1139-1383): “Afonso Henriques, depois do infeliz sucesso de Badajoz, e feitas pazes com el-rei de Leão, o nomeara fronteiro da cidade de Beja, de pouco tempo conquistada aos mouros”.

Ao ser alertado pelo cavaleiro Mem Moniz, sobre a superioridade militar dos mouros, e se àquele seria o momento ideal para a batalha, Gonçalo Mendes demonstrou de maneira destemida sua copiosa bravura: “Quem achar que são duros demais os arneses dos infiéis pode ficar-se aqui”.

A respeito desses cavaleiros e do modo como agiam numa batalha, é interessante citar António Borges Coelho, que assim os descrevem: “À voz do mestre um trombeta dava o sinal do combate, e os freiras, erguendo os olhos ao céu, entoavam o hino de David: ‘Não há nós, Senhor, não a nós! mas dá glória ao teu nome!’- Então, abaixando as lanças e esporeando os ginetes, arrojavam-se ao inimigo, como a tempestade, envoltos em turbilhões de pó. Primeiros no ferir eram os últimos em retirar-se quando assim lho ordenavam. Desprezando os combates singulares, preferiam acometer as colunas cerradas, e para eles não havia recuar: ou dispersavam ou morriam”.

Em alguns aspectos, A Morte do Lidador apresenta certa semelhança com uma epopéia. A personagem Gonçalo Mendes da Maia, assim como nas epopéias, assume integridade de caráter. Do modo como ocorre com os heróis épicos, ele é desprovido de vícios e possui uma personalidade exemplar, que serve de modelo, um herói, por assim afirmar, digno de orgulho, cujo objetivo é o triunfo de sua pátria, de seu povo, de seu reino.

É muito comum nos romances e narrativas de Herculano, a utilização de personagens com características sobre-humanas, dotadas de certos podres extraterrenos, vítimas de maldição ou de santificação. Conforme afirma António José Saraiva, em História da Literatura Portuguesa, “...o transcendente desempenha um papel essencial, quer pelo tema, quer pelas personagens, quer pelo vocabulário, como mostra o emprego freqüente de nomes como tremendo, terrível, solene, santo, maldito, precito”.

Embora a personagem Gonçalo Mendes da Maia não sirva como o modelo ideal para exemplificar essas qualidades, há de se reconhecer nele certos traços que o faz encaixar nas afirmações acima, por exemplo, seu vigor físico e mental face à sua já avançada idade, e, igualmente, sua predestinação para a morte na batalha.

O uso continuado de linguagem litúrgica também é muito comum nas narrativas desse autor português. E não haveria de ser diferente, afinal, a época e o cenário no qual se passa a narrativa é predominado pela influência da religião. A palavra alvorada, é um bom exemplo, sendo utilizada para assinalar horário, mais precisamente às primeiras horas do dia: “Era um dia do mês de Julho, duas horas depois da alvorada...

Não obstante Herculano permanecer afastado do seio da igreja, mesmo lutando contra a participação do clero nos assuntos políticos, e apesar de ser um crítico combativo do catolicismo, observa-se, especificamente nessa lenda, certa sublimação ou exaltação dos valores cristãos. Fazendo as devidas ressalvas, é possível comparar, mesmo que superficialmente, com o Sermão pelo bom sucesso das armas de Portugal contra as da Holanda, do Padre Vieira, o qual ataca violentamente os calvinistas, chamando-os de infiéis. Em A Morte do Lidador, entretanto, os infiéis são os mouros. O próprio termo mouro, imprescindível na narrativa, e que na época fora utilizado pelos ibéricos em relação aos habitantes árabes do norte da África e da Espanha, e por extensão, tanto para os pagãos da África quanto aos hindus na Índia, é, de certa forma pejorativo, trazendo em si a noção de superioridade dos cristãos em relação em “infiéis e brutos” muçulmanos: “...ao longe, pelas imensas campinas que avizinhavam o teso sobre a povoação está assentada, viam-se ondear as searas maduras, cultivadas por mãos de agarenos para seus novos senhores cristãos... então de cristãos conquistados, hoje de mouros vencidos”.

Embora a narrativa seja ambientada num cenário medieval, Herculano sempre traz à tona fatos históricos anteriores ou posteriores ao fato propriamente relatado. Por exemplo: “Regados por lágrimas de escravos tinham sido esses campos, quando em formoso dia de Inverno os sulcou o ferro do arado (...) corro de amargura havia aí, como, cinco séculos antes, o houvera...”.A alusão aqui remete a um acontecimento anterior à época medieval, quando a região era dominada pelos visigodos. Já neste outro trecho, a referência diz respeito aos reis católicos Fernando de Aragão e Isabel de Castela, que intensificaram o movimento de Reconquista, expulsando em 1492 os mouros de seu último reduto no continente europeu, unificando desse modo os respectivos territórios: “Era esta a resposta dada pela raça goda aos filhos de África e do Oriente, que diziam, mostrando os alfanges: ‘É nossa a terra de Espanha’. O dito foi desmentido; mas a resposta gastou oito séculos a escrever-se. Palaio entalhou coma espada a primeira palavra dela nos cerros das Astúrias; a última gravaram-na Fernando e Isabel...

Também é relevante observar a oposição, a óbvia oposição que norteia toda a narrativa, simbolicamente representada pelo cruz e o crescente, remetendo às duas poderosas forças “espirituais” que prevaleciam na região: cristãos e muçulmanos. Essa oposição apresenta-se também mediante termos inerentes às duas grandes religiões, tais como: mesquita e sé, almuadem e sino. Todavia, por motivos também óbvios, prevalece tudo que se relaciona ao cristão e ao que é “puro e verdadeiro”: “A cruz hasteava-se outra vez sobre o crescente quebrado: os coruchéus das mesquitas convertiam-se em campanários de sés, e a voz do almuadem trocava-se por toada de sinos, que chamavam à oração entendida por Deus”.

A oposição fiéis e infiéis, cristãos e muçulmanos, Lidador e Almoleimar tem o seu clímax quando os dois representantes das respectivas religiões defrontam-se numa cena deveras empolgante: “Como duas torres de sete séculos, cujo cimento o tempo petrificou, os dois capitães inimigos estavam um defronte do outro, firmes em seus possantes cavalos: as faces pálidas e enrugadas do Lidador tinham ganhado a imobilidade que dá, nos grandes perigos, o hábito de os afrontar: mas o resto de Almoleimar divisavam-se todos os sinais de um valor colérico e impetuoso. Cerrando os dentes com força, descarregou um golpe tremendo sobre o seu adversário: o Lidador recebeu-o no escudo, onde o alfanje se embebeu inteiro, e procurou ferir Almoleimar entre o fraldão e a couraça; mas a pancada falhou, e a espada desceu, faiscando, pelo coxote do mouro, que já desencravara o alfanje”. A terra, o motivo da luta, neste instante, representa simbolicamente por meio do sangue do Lidador e do Almoleimar, a união utópica dos dois povos, das duas culturas e das duas religiões “eternamente” inimigas: “...BEBEU SANGUE GODO MISTURADO COM SANGUE ÁRABE”. Nas palavras de Herculano, Portugal nasceu de duas porções Peninsulares: uma leonês e a outra mourisca.

É interessante observar que, ao fazer menção do poder dos inimigos, o autor não o subestima. Muito pelo contrário, há até uma espécie de exaltação ao poderio militar dos mouros em detrimento dos cristãos, talvez para tornar a vitória muito mais espetacular, ou divinamente extraordinária”: “...as searas calcadas davam rebate de que por aqueles sítios tinham vagueado almogaures mouros, como o leão do deserto rodeia, pelo quarto de modorra, as habitações dos pastores além das encostas do Atlas”. / “Enfileirados em extensa linha, os cavaleiros árabes saíram à rédea solta detrás da escura selva que os encobria: o seu número excedia cinco vezes o dos soldados das cruz; as suas armaduras lisas e polidas contrastavam com a rudeza das dos cristãos, apenas defendidos por pesadas cervilheiras de ferro e por grossas cotas de malha do mesmo metal...”. /“Quem visse aquele punhado de cristãos, diante da cópia de infiéis que os esperavam, diria que, não com brios de cavaleiros, mas com fervor de mártires, se ofereciam a desesperado trance”.

Mesmo estando militarmente em desvantagem, os Cavaleiros da Cruz, como eram chamados, finalmente haveria de bradar o triunfo: “A rudeza e a força da raça gótico-romana iam, ainda mais uma vez, provar-se com a destreza e com a perícia árabe”.

A narrativa termina com a vitória dos portugueses, que deram fim a um prolongado domínio mouro na Península Ibérica: “Os portugueses, senhores do campo, celebravam com prantos a vitória. Poucos havia que não estivessem feridos; nenhum que não tivesse as armas falsadas e rotas. O lidador e os demais cavaleiros de grande conta que naquela jornada tinham acabado. atravessados em cima dos ginetes, foram conduzidos a Beja”.

Em suma, compreende-se desta narrativa, que a guerra ali descrita adquiriu um caráter de cruzada, tendo na pessoa de Gonçalo Mendes da Maia o modelo do cavaleiro ideal, cuja missão foi reconquistar as terras das mãos dos hereges, dos infiéis mouros, tornando-a habitação dos “verdadeiros filhos de Deus”, os portugueses.

É isso!

Um comentário:

  1. Obrigada por esse espaço, gostei muito da análise do conto "A Morte do Lidador", sou aluna do curso de Letras Português-UFC, parabéns e mais uma vez obrigada!

    ResponderExcluir

Excetuando ofensas pessoais ou apologias ao racismo, use esse espaço à vontade. Aqui não há censura!!!