Anúncios antigos de cigarros - III


Desde seus primórdios a indústria do tabaco primou por uma propaganda altamente sedutora. Nos anúncios, a seguir, por exemplo, pode-se observar a associação do cigarro com castelos suntuosos e outras imagens desafiadoras. Antes, porém, faço menção de um texto extraído Mariela Cristina Sell, intitulado "Práticas ambientais na produção do tabaco: um estudo a partir das interações entre organizações sociais e produtores", especificamente aquele que versa sobre a origem do tabaco:

---
O surgimento da cultura do tabaco
Alguns autores defendem que o tabaco surgiu em uma ilha do Caribe ou com os índios Arawak, no Haiti. Mas, segundo Etges (1991) há autores que defendem o termo tabaco já era conhecido na Ásia desde o século IX, originando da palavra árabe Tabbaq.

Conforme Nardi (1985) a planta de fumo (nicotina tabacum) surgiu nos Andes bolivianos e foi trazida ao Brasil pelos movimentos de migração dos índios Tupi- Guarani, muito antes da chegada dos europeus. O fumo era utilizado para a iniciação dos pajés e nas cerimônias tribais. A fumaça era considerada purificadora e a planta como medicinal pois acreditavam que curava feridas, enxaquecas e dores de estômago.

Com a chegada dos europeus ao Brasil, o fumo passou a ser conhecido entre os marinheiros e soldados e, posteriormente, foi difundido pelo mundo pelas cortes portuguesa e francesa, conforme relato de Jean-Baptiste Nardi:

Em 1530, após a expedição de Martin Afonso de Souza no sul do país, um donatário português, Luiz de Góis, em 1542, levou a planta para Portugal. Por seu aspecto ornamental (como planta exótica) e por suas virtudes medicinais, foi cultivada no quintal da infanta D. Maria, e em 1560, Jean Nicot, então embaixador da França em Portugal, a conheceu. Ouvindo dizer que a planta curava enxaquecas, das quais padecia a rainha da França, Catherina de Medicis, ele a enviou a Paris. A rainha começou a pitar e imediatamente foi imitada pelos nobres de sua corte e logo pelos das cortes européias, dando nascimento ao mercado de fumo em pó (Nardi, 1985, p. 6).

Ainda conforme Nardi (1985), com o aumento do consumo e da busca pela iguaria surgem as primeiras lavouras de fumo no Brasil, localizadas no chamado Recôncavo Baiano, entre Salvador e Recife, regidas pelo monopólio português através da chamada Junta de Administração do Tabaco, criada em 1674, que regulamentava os impostos e os contratos originados das negociações do fumo. Já em 175l, com as reformas criadas pelo Marquês de Pombal, surgem novas legislações e regulamentos, que vigoraram até alguns anos após a Independência do Brasil. O hábito de fumar o tabaco foi evoluindo e tornou-se comum entre os povos, perdendo seu valor religioso. Segundo Nardi:

Ao passar pela Europa e pelo mundo, o fumo não levou seu valor religioso e ficou para os povos pelo puro prazer. O sociólogo cubano Fernando Ortiz diz que com o fumo ocorreu um dos maiores fenômenos de transculturação no mundo (Nardi, 1985, p. 13).

De 1680 a 1730, a Bahia atravessava a crise do açúcar e muitos senhores de engenho passaram a se dedicar ao cultivo do tabaco, tendo a produção atingido em torno de 3.750 toneladas por ano. A abolição dos escravos, no fim do século XIX, não afetou a produção, e as lavouras continuaram prosperando com o consumo crescendo no mundo todo. “A partir do fim do período colonial (1808) até o início do século XX, o fumo brasileiro diversificou-se tanto a nível da agricultura como da indústria e do comércio” (Nardi, 1985, p. 8).

Uma política de desenvolvimento instituída na época permitiu a criação de novas áreas fumageiras. Assim o tabaco passou a ser cultivado em Minas Gerais, Goiás, São Paulo e, em 1824, com a chegada dos imigrantes alemães, no Rio Grande do Sul. No século XIX, o comércio ganha força através do desenvolvimento das comunicações internas do país, como novas estradas, ferrovias e companhias de navegação.

É no período de 1900 a 1930 que o cultivo do tabaco e as condições de industrialização e de comércio se estabelecem e formam as estruturas atuais, sendo que somente o Rio Grande do Sul e a Bahia continuaram investindo na cultura, embora com tipos diferentes da planta. Na Bahia se cultiva o fumo escuro para charutos, produzidos de forma artesanal, enquanto no Rio Grande do Sul o cultivo é de fumo claro, para cigarros, seguindo um sofisticado processo industrial. Um fato marcante na disseminação do tabaco foi a II Guerra Mundial, que proporcionou o aumento no consumo de cigarros e, conseqüentemente, dos volumes plantados e exportados pelo Brasil, aumentando também a procura no mercado interno, movido pelo processo de urbanização e participação das mulheres no consumo. Ainda assim, conforme Nardi (1985), até 1970 a Europa absorvia quase 80% do fumo brasileiro, e a cadeia produtiva local foi uma das grandes beneficiárias do Acordo Monetário europeu de 1955, que tornou o dólar, a partir de 1959, a moeda de intercâmbio internacional, aumentando ainda mais a lucratividade do negócio.

Por sua antiqüíssima presença no país, o fumo é, talvez, de todos os produtos brasileiros, o mais genuíno. Se houve, outrora, produtos mais valiosos como o açúcar, o ouro ou o café, todos foram vítimas das conjunturas e das crises. O fumo prevaleceu sobre as tempestades. Devagar, pacientemente, encaminhou-se para os primeiros lugares, esperando sua hora [...] a luz dos tempos passados nos ensina que o fumo foi sempre um valor seguro para o país. Sem idéia preconcebida, podemos afirmar que o fumo, por sua estabilidade e seu progresso regular, é talvez, o verdadeiro ouro do Brasil (Nardi, 1985, p. 37).

Fonte:
Mariela Cristina Sell: “Práticas ambientais na produção do tabaco: um estudo a partir das interações entre organizações sociais e produtores”. (Dissertação apresentada ao Programa de Pós–graduação em Ambiente e Desenvolvimento do Centro Universitário Univates, como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Ambiente e Desenvolvimento. Orientadora: Dra. Jane Márcia Mazzarino Co-orientador: Dr. Glauco Schutz). Lajeado, 2009.

Nota
:
As notas e referências bibliográficas de que faz menção o autor estão devidamente catalogadas na citada obra.
---


Marca: "Belmont", da Companhoa Souza Cruz (anúncio de 1942)

Marca: "Belmont", da Companhia Souza Cruz (anúncio de 1945)

Marca: "Continental", da Companhia Souza Cruz (anúncio de 1942)

Marca: "Astoria", da Companhia Souza Cruz (anúncio de 1947)

Marca: "Elmo", da Companhia Souza Cruz (anúncio de 1946)

---
Fonte das imagens:
Revista "A Cigarra", edições de 1942, 1945, 1946 e 1947, disponível digitalmente no site do Arquivo Público do Estado de São Paulo

Um comentário:

  1. There are big prizes to be gained properly as|in addition to} superb options to choose from|to select from}, to provide your game a boost. The expertise is interactive with the reside vendor, where you’ll have to guess which numbers the wheel will land on to climb onto the following degree. We’re all conversant 메리트카지노 in the wheel of fortune, where you spin and hope the wheel lands on a prize. This sort of game never loses its charm and enjoyable factor, and it’s attainable to play varieties of|these type of|most of these} games right right here at Mr Green. We even have a lobby filled with gameshow style titles and loads of exciting variations on more conventional games which are be} extremely popular if you're on the lookout for a much less critical reside casino game. Live Blackjack is extremely popular and you will find many exciting variances of this simple card game at Mr Green.

    ResponderExcluir

Excetuando ofensas pessoais ou apologias ao racismo, use esse espaço à vontade. Aqui não há censura!!!