Creation Museum: "o Museu da Provocação"

Prepare-se para crer!”
Eis o lema do um museu inaugurado há alguns anos no estado de Kentucky, Estados Unidos. Com um investimento de 26 milhões de dólares feito com doações dos criacionistas americano, o Museu da Criação (“Creation Museum”) tem por objetivo “provar” que tudo quanto a Bíblia relata acerca da origem da vida e do homem é a expressão da mais pura verdade. Trata-se de um lugar onde crianças e dinossauros convivem pacificamente. Os relatos bíblicos como os de Adão e Eva e o da Arca de Noé são os mais enfatizados, mostrando que os milhões de anos enfatizados pelos evolucionistas não correspondem à realidade geológica. Sem dúvida, uma provocação jibóica, ou melhor, “dinossáurica” à galerinha de Darwin, que até sugeriu outro nome: “Museu da Confusão”.

Sorte minha que existe a “terceira margem do rio”!
Esse tipo de cousa não me assusta nem me provoca, já que tenho plena consciência de que faz parte da índole humana essa tendência de se querer provar a todo custo suas verdades inquestionáveis. Não vejo muita diferença entre os criacionistas americanos e os darwinistas a la Dawkins. Ambos perambulam pelas mesmas beiradas do extremismo. Enquanto os primeiros tentam empurrar a Bíblia goela abaixo como se fosse lídima ciência, esses outros, da mesma forma querem nos convencer que a evolução, “o maior espetáculo da terra”, aconteceu exatamente nos moldes que especulam suas crenças imbecis, como aquelas ditadas pela ridícula Sociobiologia. Mas, se amor com amor se paga, ideologia com ideologia se complementam.

Os 26 milhões investidos na criação desse museu, são, na verdade, mais uma forma que os criacionistas encontraram para manter viva essa eterna guerrinha “tomjerryana” contra os darwinistas. Se eles realmente quisessem cumprir a Bíblia, deveriam seguir o conselho de Cristo, que nos mandou repartir o pão com o próximo, investindo todo ou metade desse dinheiro em pesquisas contra o câncer ou a AIDS. Igualmente, se todo o dinheiro que os ideólogos darwinistas investem na busca do “santo graal da evolução” fosse empregado em prol de crianças com paralisia cerebral, talvez o mundo fosse “mais azul”. Hipocrisia? Pode ser, contudo, prefiro uma “hipocrisia humana” a uma “sinceridade desumana”... e besta.

A SEGUIR, FOTOS DO MUSEU DA CRIAÇÃO: PARA DELÍRIO DOS CRIACIONISTAS E DESESPERO DA GALERINHA DE DARWIN: ((rs))


É isso!

Um comentário:

  1. Um bom artigo, sou criacionista, mas a Biblia fala que este tipo de discussão deve ser evitado, pos não leva a lugar algum. Apenas alimenta o oponente. "Dont feed the Trolls"

    ResponderExcluir

Excetuando ofensas pessoais ou apologias ao racismo, use esse espaço à vontade. Aqui não há censura!!!